Passeando pelas terras Tailandesas….

Cheiros, cores e sabores.  Conhecer a Tailândia é como abrir a cortina para um novo mundo. Uma imensidão de novas sensações invade quem visita este lugar.  O segredo do sucesso do país campeão do turismo no Sudeste Asiático está na mistura ideal entre cultura, hedonismo e exotismo. A Tailândia, o antigo reino do Sião, é um dos raros países do Oriente que nunca foi ocupado pelas potências coloniais e que, por isso mesmo, preserva muitos aspectos de sua cultura tradicional.

O turismo é um fator muito importante na Tailândia. Os serviços turísticos, hotéis, transportes e comunicações funcionam igualmente bem. Nesse ponto podemos dizer que a Tailândia é um país bem moderno, com estradas em boas condições, comércio ativo, cidades bem organizadas e um povo educado. Outra grande vantagemrança.

A Tailândia é também o paraíso das compras. Os mercados em Bangkok e Chiang Mai são uma tentação mesmo para aqueles que não são nada consumistas. Qualquer viagem de turismo à Tailândia inclui também seus mercados e compras. Percorrê-los faz patê da programação principal. Você encontra de tudo: antiguidades,esculturas em bronze e madeira, roupas de seda (a Tailândia é o país da seda), de algodão, túnicas transadas, saias, bijuteria de prata, jóias e até lindos guarda-sóis decorados. Verdadeiras obras de arte. Se tratando de receptividade os tailandeses são muito simpáticos, geralmente prestativos e atenciosos. Por isso, a Tailândia é conhecida como o “país do sorriso”.

Embora em Bangkok, a capital da Tailândia, embora existam supermercados moderníssimos, a dezesseis quilômetros do centro continua a existir um mercado flutuante tradicional, que se tornou atração turística. Quem visita a Bangkok se depara com uma arquitetura única, de rara beleza, visível principalmente nos magníficos templos budistas. Embora a maioria dos pontos turísticos fique em Bangkok, a capital, há também muito o que se ver em Chiang Mai, Chiang Rai e outras cidades do norte, onde há também magníficos templos.

Vamos descobrir um pouco mais de cada região…

Koh Pukhet, Ko Phiphi, Koh Samui – São as ilhas paradisíacas do sul de Bangkok. O litoral é tão bonito que se tornou um dos destinos turísticos favoritos dos cruzeiros marítimos.

Chiang Mai e Chiang Rai – O norte do país reserva ao viajante boas surpresas. A cidade mais interessante e com mais atrações turísticas no norte da Tailândia é, sem dúvida, Chiang Mai. Ainda mais ao norte, próxima à fronteira do Camboja, fica Chiang Rai, uma ótima base para quem quer participar de uma excursão sob elefantes até as aldeias de tribos montanhesas.

Koh Samed – Não muito longe de Bangkok, é uma ilha também linda e muito turística.

Ayuthaya – A cidade, a apenas 87 km de Bangkok, já foi capital da Tailândia e conserva magníficos templos.

Sukhothai – A cidade foi a primeira capital do Sião, (fundada no começo do século XIII), possui um invejável conjunto de ruínas e antigos santuários.

Alguns pontos turísticos:

  • Templo da Aurora
  • Templo do Buda de Esmeralda
  • Templo do Buda Dourado
  • Palácio Real
  • Casa de Jim Thomson
  • Mercado Flutuante
  • Rio Kwai
  • Quinta dos Crocodilos

Este slideshow necessita de JavaScript.

Anúncios

Menos é MAXI!

Tags

, , , ,

Os maxi acessórios viraram os queridinhos das mulheres. O sucesso foi tão grande que já está comprovado como será difícil não se render a eles no próximo verão. Os desfiles confirmaram as tendências do maxi, exagero e extravagância, sem perder a beleza e o charme da estação mais quente do ano.

Como a mulherada adora uma novidade, é possível encontrar nas lojas peças lindas, mesmo em plena primavera. As dicas para usá-las é não deixar que o exagero tome conta do seu visual e saber dosar ousadia com sobrecarga de acessórios. As pedras estão em alta também, aproveite seu colorido para usar junto com aquele pretinho básico.

Para não perder o costume, abaixo vão algumas fotos de maxi colares, maxi pulseiras e maxi anéis para você se inspirar.

Culinária Tailandesa: apimentada e cheia de sabor!

Original! Assim se define a gastronomia da Tailândia!

Exótica, irreverente e marcante. A cozinha da Tailândia é famosa pela mistura dos quatro sabores fundamentais:

  • doce (açúcar, frutos, pimentas doces)
  • apimentado (pimentos)
  • amargo (vinagre, sumo de lima, tamarindo)
  • salgado (molho de soja, molho de peixe)

A maioria dos pratos da cozinha tailandesa tenta combinar a maioria destes sabores, quando não todos. Isto tudo graças ao uso de ervas, especiarias e frutas, como: pimentão, cominho, alho, gengibre, manjericão, lima, capim-limão, coentro, pimenta, curuma e chalota. Localizada no sudeste asiático, a Tailândia não passa de uma grande interrogação na cabeça de muitas pessoas. Mas quem experimenta a culinária do país tem a chance de encontrar sabores conhecidos mesclados, o que torna algo difícil de definir.

A Tailândia é sem dúvida um paraíso para os que gostam da boa cozinha. A riqueza dos seus ingredientes, o requinte da apresentação, uma grande criatividade, o seu exotismo fazem da gastronomia tailandesa uma das mais ricas de todo o Oriente. O arroz é um dos alimentos que nunca faltam na mesa tailandesa. Serve-se de múltiplas maneiras: fervido, frito ou em sopa. Na zona Norte, a variedade cultivada é mais gelatinosa, sendo mais conhecido como “arroz pegajoso”.

Os molhos preparados com vários ingredientes são garantidamente a base da gastronomia. Malaguetas, patés de caranguejo, alho e especiarias. Não se limitam a ser utilizados apenas como tempero, desempenhando um papel específico, como por exemplo o molho de peixe, (nam pla), que em muitos pratos substitui o sal. Outros utilizam-se para realçar determinados sabores, tal como o molho de ostras fermentadas ou como outros que incorporam leite de côco para suavizar os sabores.

O pequeno-almoço thai poderá surpreender pela sua abundância. Compõe-se geralmente de arroz de frango, porco, gambas com alho, acompanhados de um ovo estrelado e pepinos pequenos em vinagre. Com isso, não é necessário o café para acordar. O almoço é mais ligeiro e geralmente é composto por apenas um prato de arroz frito, massas com algumas sanduíches frias e verduras. O jantar é a refeição mais importante do dia. Nele concentram-se em qualidade, quantidade e sabor, os melhores ingredientes da cozinha thai – arroz, sopa, peixe ou frango, saladas, hortaliças, molhos e sobremesas.

Outro dos aspectos mais importantes é a apresentação, a delicadeza e a arte com que cada prato chega à mesa, não faltando nunca os arranjos florais nem as frutas ou verduras cortadas nas mais artísticas formas. Quando nos sentamos num restaurante, encontramos um arco-íris de cheiros, cores e sabores capazes de cativar o mais exigente dos gourmets.

Agora curta uma receita de entrada e prato principal para preparar um belo jantar em casa!

ENTRADA

Frango Satay

Rendimento: 4 porções

  • 500 gr de peito de frango desossado em tiras
  • 2 dente(s) de alho amassado(s)
  • 1 colher(es) (sopa) de gengibre ralado(s)
  • 1 colher(es) (café) de coentro em grãos
  • 3 colher(es) (sopa) de shoyu

Molho

  • 2 unidade(s) de pimenta dedo-de-moça picada(s)
  • 1 dente(s) de alho amassado(s)
  • 1 colher(es) (sopa) de óleo de soja
  • 1/2 xícara(s) (chá) de leite de coco
  • 2 colher(es) (sopa) de shoyu
  • 1 colher(es) (sopa) de suco de limão
  • 90 gr de gengibre picado(s)
  • 6 unidade(s) de echalota
  • 1/2 colher(es) (chá) de pasta de camarão
  • 1/4 xícara(s) (chá) de amendoim sem casc

Preparo

Coloque as tiras de frango em espetos de bambu, levemente untados com óleo e disponha-os em uma tigela rasa de vidro ou cerâmica. Misture o alho, o gengibre, o coentro e o molho de soja e derrame sobre os espetos. Cubra e deixe descansar 30 minutos na geladeira. Para fazer o molho, coloque as cebolas pequenas, as pimentas, o alho e a pasta de camarão (se estiver usando), em um processador de alimentos ou em um liqüidificador , e bata até obter uma pasta lisa. Aqueça o óleo em um Wok ou frigideira, em fogo alto, acrescente a pasta e cozinhe, mexendo sempre, por 3 minutos, ou até dourar. Acrescente o leite de coco, o molho de soja, o suco de limão e os amendoins e cozinhe, mexendo sempre, até a mistura estar aquecida. Se o molho estiver muito grosso, acrescente um pouco de água.
Escorra os espetos e asse em uma grelha pré-aquecida ou em uma grelha de churrasqueira por 2 minutos de cada lado, ou até estarem cozidos.
Sirva acompanhado com o molho.

PRATO PRINCIPAL

Pad Thai

Um macarrão de arroz com camarões, legumes e o picante toque oriental dado pela mistura de shoyu e suco de tamarindo. Seu preparo é rápido, e a vantagem é que você prepara tudo em uma única frigideira. Esse item é essencial para a receita dar certo: prefira uma frigideira wok ou com o fundo antiaderente para que os ingredientes não grudem. Convide um amigo ou namorado e sinta-se do outro lado do mundo.

Ingredientes (2 pessoas):

  •  4 colheres de sopa de óleo
  •  12 camarões médios
  •  2 ovos
  • 3 colheres de sopa de cebola roxa picada
  •  200g de talharim de arroz
  •  50g de tofu frito
  •  1 xícara de água, ou mais, se necessário
  •  3 colheres de sopa de molho de peixe (comprado em lojas orientais)
  • 1 colher de sopa de shoyu
  • 2 colheres de sopa de açúcar
  • 4 colheres de sopa de suco de tamarindo
  •  2 xícaras de chá de broto de feijão (moyashi)
  • 1/2 xícara de chá de cenoura ralada
  • Cebolinha em pedaços grandes
  •  Amendoim para salpicar

Preparo

Use uma frigideira funda ou uma panela tipo wok. Primeiro, frite os camarões e reserve. Faça o mesmo com o tofu. Aqueça o óleo na frigideira, quebre os ovos e faça um ovo mexido. Retire e reserve. Coloque mais um fio de óleo e junte a cebola roxa. Mexa por 30 segundos e junte o talharim de arroz cru. Mexa bem e vá pingando água até ele ficar al dente. Acrescente o molho de peixe, o açúcar, o tamarindo e o shoyu e mexa bem. Junte o moyashi e a cebolinha e coloque os camarões e os ovos mexidos na frigideira até aquecer. Prove o sal. O pad thaii não leva sal branco, apenas o sal dos molhos de peixe e soja. Se achar necessário, acrescente mais molho de peixe. Sirva com fatias de limão, açúcar, pimenta seca e cubra com amendoim torrado picado grosso.

Deliciosa torta holandesa

Tags

, , , , ,

Na Holanda, os doces exóticos e diferenciados fazem sucesso com os turistas. Além disso, quem aprecia uma boa culinária sabe que os ingredientes inusitados fazem toda a diferença no preparo. Para saborear de pertinho essas delicias, trouxemos a receita de uma torta holandesa. Simples e gostosa, a receita ganhou fama por milhares de cafés espalhados pelo país.

ingredientes

Massa
250g de margarina
200g de açúcar refinado
80g de leite condensado
600ml de creme de leite sem soro
Essência de baunilha a gosto
Licor de frutas a gosto
Cobertura
200g de chocolate meio amargo
200g de creme de leite fresco
10g de margarina
Base
200g de biscoito tipo maisena
Montagem lateral
200g de biscoito doce redondo com cobertura de chocolate (calipso)
modo de preparo

Massa
Na batedeira bata a margarina e o açúcar até obter um creme quase branco. Adicione o leite condensado e continue batendo. Junte o creme de leite e mexa bem. Acrescente a essência de baunilha e o licor de frutas.

Cobertura
Em uma panela coloque o creme de leite, aqueça sem deixar ferver e tire do fogo. Acrescente o chocolate e a margarina. Misture bem até derreter o chocolate.

Montagem
Em uma forma de aro removível (de 18 a 20cm de diâmetro por 4cm de altura), passe a fita no contorno da forma. Forre o fundo da forma com a bolacha maisena e as laterais com biscoitos redondos com cobertura de chocolate.

Coloque o creme e leve à geladeira por 2 horas. Retire e coloque a cobertura.

20120831-133933.jpg

A capital da moda é aqui!

Tags

, , , , , , ,

A Itália é um dos maiores polos de design de roupas e acessórios no mundo. Não é atoa que Milão é o paraíso para modelos, estilistas e fashionistas, considerada recentemente a capital da moda. Mesmo quem não é adorador do assunto conhece os nomes mais famosos, que viraram marcas bastante procuradas, como Valentino, Armani, Versace, Dolce & Gabbana, Prada e Gucci.

Não só pela beleza das cidades como Veneza, Florença, Milão e Vicenza, que começaram a produzir sapatos, chapéus, cosméticos, joalheria e ricos tecidos há vários anos atrás, mas os responsáveis são também seus habitantes, que mantiveram a moda com um papel ímpar na cultura da sociedade.

As marcas têm como característica principal a longa tradição da qualidade, do estilo e da elegância de seus produtos, além do talento de seus criadores. O sucesso não pára por aí, as luxuosas marcas italianas desenvolvem coleções especiais em colaboração com organizações não governamentais de ajuda aos mais necessitados, demonstrando que existem outros valores por trás de tanta beleza e sofisticação.

Descobrindo esse universo fashion, fica impossível não ter vontade de viajar para a Itália. Cidades como Milão são o verdadeiro sonho de consumo para pessoas apaixonadas por moda. Se você ainda tem dúvidas, descubra abaixo o porquê:

Este slideshow necessita de JavaScript.

Austrália! Conhecendo a terra do canguru…

A cultura da Austrália, em grande parte, é derivada de raízes europeias e mais recentemente norte-americanas. O vigor e originalidade das artes em filmes da Austrália, ópera, música, pintura, teatro, dança, e artes, estão alcançando reconhecimento internacional. O principal traço cultural da Austrália é proveniente dos aborígenes que formam um povo único no mundo, de origem pré-histórica, de pele escura. É deles a origem do bumerangue e o nome do canguru. Esse povo aprendeu ao longo dos anos conviver com o deserto, a encontrar água, no lugar chamado pelos “brancos” de Outback.

Como em todos os lugares, as pessoas sempre perguntam quais os locais mais legais para se visitar na Austrália. Pensando nisso, segue uma lista de 10 lugares para fazer um bom tour. Obviamente, esse país tão lindo e cheio de cultura possui muito mais que dez bons lugares, mas a lista seria bem grande.

Sydney – Além de portal de entrada para a maioria das pessoas, a cidade possui lugares muito interessantes de se visitar, com a Opera House, o Darling Harbour com aquários marinhos, shoppings, e museus, e uma visita ao outro lado da baía incluindo ao zoológico e a praia de Mainly. Uma subida na torre no centro é fundamental para se entender a cidade além da vista panorâmica, e uma visita as Blue Mountains irá proporcionar belas vistas do vale. A vida noturna em Sydney é a mais ativa de toda a Austrália.

Cairns – A cidade é pequena e sem atrativos importantes, porém as coisas para fazer ao redor são fantásticas, tais como ir até a Grande Barreira de Corais. Ou ainda subir de teleférico até Kuranda e fazer o imperdível passeio de trem pelo vale que é repleto de cachoeiras. Conhecer  Daintree National Park, considerada a floresta com maior diversidade de plantas por metro quadrado no planeta.

Gold Coast – praias bonitas, mas nada de especial exceto para surfistas e praieiros. Parques temáticos e vida noturna no bairro de Surf Paradise são muito animados. Os Parques Nacionais nas imediações são imperdíveis, com muitas cachoeiras, flora e fauna para serem apreciados.

Fraser island – muito legal com passeios pela areia em veículos 4×4. Lagoas muito bonitas e muita natureza para ver. Perto, na Sunshine Coast, Noosa é a cidade mais interessante para passar o dia saindo de Brisbane que é também uma cidade muito legal de se conhecer.

Magnetic island – Em frente de Townsville, com praias de tirar o fôlego sendo a ilha 2/3 Parque Nacional com várias colônias de Koalas para se ver no habitat delas.

Whitsundays – paraíso para os amantes de esportes náuticos com ótima vida noturna e restaurantes.

Ayers Rocks – No coração da Austrália perto da cidade de Alice Springs. É o maior monolito de pedra no mundo e local sagrado para os Aborígenes. Todo o contexto ao redor é deserto, sendo espetacular de se visitar fazendo tours pelas imediações vendo as cores da rocha mudando ao longo do dia.

Great Ocean Road – a 3 horas de carro de Melbourne que é uma ótima cidade para se conhecer, sendo uma das preferidas dos pilotos de fórmula 1 no circuito mundial por causa da descontração da população, e pela quantidade de vida noturna e restaurantes que a cidade oferece. A Great Ocean Road vai pela beira mar, em cima de falésias, e de cima pode-se apreciar o mar e a erosão causada em monolitos gigantes de pedra dentro d’agua, chamados 12 Apóstolos. (Agora só restam 8, os demais já foram derrubados pelas ondas).

Kakadu National Park – Perto de Darwin. Um dos parques nacionais onde a vida selvagem mais abunda na Austrália. O único ponto negativo, é que ficou tão popular, que é difícil andar sozinho pelo parque sem encontrar turistas, mas mesmo assim vale a visita.

Tasmânia – Um dos lugares mais bonitos da Austrália, e que de certa forma lembra as paisagens da Nova Zelândia. Bastante provinciana, com cidades pequenas e gostosas. A natureza é o ponto alto, com praias espetaculares apesar da água fria. As montanhas e lagoas são espetaculares por sua beleza e vida selvagem, sendo que as ruinas dos presídios da época em que traziam convictos para a Austrália estão parcialmente em pé, e são muito interessantes de se visitar.

Este slideshow necessita de JavaScript.

Mamma Mia! Um tour pela culinária italiana…

Preparado para se deliciar ao longo de um super roteiro italiano!? Não é só de macarrão que vive a gastronomia italiana. A culinária italiana evoluiu através dos séculos, ao longo das mais variadas alterações sociais e políticas. Mudanças significantes ocorreram com a descoberta do Novo Mundo, que ajudaram a moldar muito do que é conhecido como a culinária italiana hoje em dia, através da introdução de ingredientes como batatas, tomates, pimentões e milho, todos eles parte central da cozinha daquele país.

Novo Mundo é um dos nomes dados ao hemisfério ocidental, mais especificamente ao continente americano. Por vezes o termo é também utilizado para designar a Oceânia. O termo tem as suas origens nos finais do século XV aquando da descoberta da América por Cristóvão Colombo. A descoberta deste novo continente expandiu o horizonte geográfico dos europeus que até então consideravam a Europa, a África e a Ásia como os únicos constituintes do Mundo. Em contraste com o Novo Mundo, os continentes europeu, africano e asiático formavam o Velho Mundo.

Tanto ingredientes como pratos mudam de região para região do país. Existem diversos pratos regionais importantes que também assumiram caráter nacional, enquanto diversos pratos que já foram regionais se expandiram para todo o país. Uma parte muito importante dessa culinário são os queijos e vinhos. Eles desempenham diferentes papéis tanto regionalmente quanto nacionalmente, com sua inúmera variedade e leis de regulamentação.

Para além de tudo isso, temos o famoso café italiano. Mais especificamente o espresso, assumiu um papel de destaque relevante na cultura gastronômica da Itália, caracterizado por ser extremamente forte.

Um dos pratos mais famosos, a pizza, apesar de tipicamente italiana tem suas origens bem mais antigas. Acredita-se que os babilônios, hebreus e egípcios já misturavam o trigo e amido e a água para assar em fornos rústicos há mais de 5000 anos. A massa era chamada de “pão de abraão”, muito parecida com os pães árabes atuais, e recebia o nome de piscea. Porém, não tinha o formato redondo e achatado que conhecemos hoje, ela era em formato de calzone, como se fosse um sanduíche.

A pizza era um alimento de pessoas humildes do sul da Itália, quando, próximo do início do primeiro milênio, surge o termo “picea”, na cidade de Nápoles, considerada o berço da pizza. “Picea”, indicava um disco de massa assada com ingredientes por cima. Servida com ingredientes barato. A receita tinha como objetivo principal matar a fome da parte mais pobre da população. Normalmente a massa de pão recebia como sua cobertura toucinho, peixes fritos e queijo. Aqui no Brasil, foi no bairro paulistano Brás, que as pizzas começaram a ser feitas e comercializadas.

Abaixo uma pequena lista de pratos italianos.
Entradas:
• Carpaccio com Rúcula
• Carpaccio Tonnato
• Camarão com Aspargos
• Tomate Recheado com Atum

Sopas:
• Sopa de Capelete
• Sopa de Feijão Branco

Aves:
• Peru Al Funghi
• Frango com Salsão

Carnes:
• Carne com Ameixa
• Filé ao Gorgonzola
• Filé com Figos
• Javali ao molho de alecrim com polenta bramata
• Polpettone

Peixes:
• Atum com Anchovas
• Bacalhau com Alcaparras
• Caponata com Frutos do Mar

Polentas:
• Polenta com Lingüiça
• Polenta com Queijo Fresco

Risotos:
• Risoto com Champignon
• Risoto ao Vinho Tinto

Massas e Molhos:
• Nhoque de Batata ao Pesto
• Tortelone de Berinjela aos Quatro Queijos
• Rigatoni com Ragu ao Vinho
• Vermicelli ao Alici
• Capelete à Romagnola
• Panquecas à Fiorentina

Sobremesas:
• Caffè Valdostano
• Cassata Siciliana
• Fregolatta
• Pêras ao Vinho
• Pudim de Nata
• Zuccotto

Delicie-se agora em casa com uma linda Fregolatta:

Ingredientes:

300g de açúcar
300g de amêndoas torradas com pele e moídas em pedaços não muito pequenos
250g de farinha de trigo
200g de manteiga
50g de farinha de milho
4 ovos
1 pitada de sal
1 colher (sopa) de limão
casca de 2 limões

Molho:

80g de açúcar
18 colheres (sopa) de vinho moscato d’Asti
5 gemas

Modo de preparo:

1. Misture os ingredientes secos.

2. Adicione os ovos e a manteiga até formar uma massa que se pareça com uma farofa grossa.

3. Unte e enfarinhe uma fôrma.

4. Asse em forno aquecido por cerca de 20 min.

5. Para o molho, bata, em banho-maria, as gemas, o açúcar e o vinho moscato por 10 minutos.

Contando um Conto: por Jéssica Simões.

Um verão para ser lembrado

Era jovem demais para lugares calmos como aquele, um cenário típico de vida no interior. As árvores eram altas, com folhas já gastas pelo tempo e sol. O vento suave e marcante, mais do que em qualquer outro lugar que já estivera. Os vizinhos eram poucos e os cavalos muitos. Lia gostava de sair para caminhar com sua mãe no fim de tarde e observá-los transitando pelas ruelas.

Já freqüentava aquela região desde muito pequena. Sua avó tinha uma casa onde, não se sabe como, cabiam todos da família. Mesmo que boa parte destes dormisse em colchonetes na sala e atrapalhasse sua ida matinal até a janela com a caneca de chocolate-quente. A casa cheirava a mofo, mas de uma forma gostosa e aconchegante. Lembrava ser na rua quatorze. Lembrava também que, pelo menos, uma vez na semana jogavam banco imobiliário em uma mesa de madeira ao lado da cozinha, onde se escondiam teias de aranha. Ela recolhia as pernas porque as achava nojentas demais, mas permanecia ali porque era divertido ver todos aqueles adultos brigando por um bando de notas de mentira. Havia uma única padaria em toda a região, que não era tão longe, mas ninguém se arriscava a ir a pé. A água era amarela e, por vezes, fedia. Mas tanto fazia para aquele bando de desocupados querendo aproveitar alguns dias de verão. E para Lia, menos ainda. Se dependesse de seus desejos passaria o dia todo cheirando a mar e biquíni.

A vida era simples. Era aquele tipo de lugar onde só se podem recordar momentos bons. Naquelas férias, em especial, lembra quando os tios de São Paulo a surpreenderam com uma visita já pela manhã. Estava de pijamas e calçada com pantufa de ursinho grande demais para seus pés pequenos. Levava uma boneca na mão, bocejo na boca e cabelos arrepiados presos para cima. Ia sentar-se no sofá perto da janela quando a tia loira e espalhafatosa gritara seu nome, assustando-a. Fora receber os parentes, saindo pelas portas vistosas de madeira e vidro, e chamando os pais que ainda dormiam. Olhava para o primo bonito, quase ignorando a presença da prima magrela. Ele era dois anos mais velho e, como já era de se esperar, Lia tinha uma queda por ele. Precoce para sua idade. Mas pouco lhe importava. Eram olhares inofensivos e o máximo que os dois ficavam próximos era quando brincavam no jardim, grande e verde, com seus outros quase-primos que sempre a visitavam. Ou ainda junto com os cachorros. Bia, Pepê, Índia.

Eram umas cinco crianças, de aproximadamente 7 anos, aprontando. Lembra-se de quando estavam no quartinho de madeira separado da casa, onde ficava um puff marrom que adorava. Brincavam de Peter Pan e os piratas, ou algo do tipo. Só se sabe que pulavam e gritavam muito. Os adultos já haviam lhes chamado a atenção várias vezes, e sido ignorados tantas até a porta ser fechada. Pepê tinha acabado de se juntar a eles e lançava olhares estranhos sempre que chegavam perto demais do puff. Era ótimo para cochilos e o favorito da pequena cadela. Ela foi única que se importou quando a ’’espada-pau’’ de Peter furou a poltrona, espalhando milhares de bolinhas brancas pelo quarto. Para o resto ali, qualquer coisa, mesmo que trágica, acabava por ser divertida.

Os adultos também passavam bons momentos nas gramas daquele quintal. Recordou-se da ilustre presença da outra tia, quando esta decidiu integrar o grupo. Alguns a chamavam de maluca, mas diziam ser no bom sentido. De fato, chegara bagunçando um bocado a casa. Lia estava na varanda e ria sozinha ao olhar os cachorros brigando com o pequeno poodle branco que trouxera e corria pelos corredores arrastando consigo um rolo inteiro de papel higiênico. A tia o gritava e Lia ouvia ser algo parecido com Pipo, mas não tinha certeza. A mãe ficava nervosa na cozinha, junto com a tia de São Paulo, só de pensar que tinha acabado de arrumar tudo e na bagunça que aquele poodle estava fazendo. Poucas horas depois, na mesma noite, chegaram avó e avô, os donos da casa.

Os dias seguintes caminharam como o planejado. Havia praia pela manhã e todos voltavam a casa tarde. Almoços diferentes eram preparados e, entre um prato e outro, se contavam piadas repetidas, mas que nem por isso perdiam a graça. Vez ou outra uma bela soneca coletiva era emendada, mas era raro. Quase não restava tempo para dormir e, até mesmo, quando era noite e todos estavam cansados, bastava um acordar que já era motivo para despertarem e inventarem algo para fazer. Lia gostava da casa assim. Cheia, com cachorros latindo e pessoas hiperativas. Televisão ali nem tinha porquê existir.

Ao fim das férias, mais dois integrantes haviam estreado a casa: Penny e Teddy, os filhos de Pepê que de tão pequenos cabiam na palma da mão. Ou, para nível comparação, eram do tamanho de uma pedra pequena e bege, que impedia a porta de bater com o vento. Todos estavam relaxados e mais felizes do que de costume. Sabiam que seria uma das poucas, senão as únicas férias da família em um bom tempo. Tinha sido um verão incrível. Ninguém pode acreditar quando a avó reuniu todos na sala, deu um último trago no cigarro que fumava e com pesar no tom noticiou a venda da casa – que, por fim, foi comprada por um senhor de meia idade que pretendia morar na região.

Lia olhava a vida agora, e sabia o quanto havia sido feliz naqueles dias. O quanto todos haviam. Ficava saudosa de como tudo era mais fácil antigamente, como nada lhe incomodava, como era sempre encontrada com bochechas rosadas e um sorriso no rosto. E mesmo quando não o tivesse, as reuniões de família rindo de piadas tolas tratavam de colocá-lo. Era bom demais se sentir parte de um grupo tão unido. Sentiria falta daquela casa como não se cabe explicar em palavras. E sentiu por muito e muito muito tempo. Mas pena que, um dia, querendo ou não as melhores coisas se perdem.

Hoje, exatamente 13 anos depois, era tempo de entender que tudo é passageiro. À exceção das memórias, que duram para sempre.

Arrase com cílios postiços

Tags

, , , ,

Já não é de hoje que os cílios postiços são os queridinhos das mulheres. A dica para ter olhos marcantes sem exageros é aplicá-los corretamente e não exagerar no resto da maquiagem. Se você possui dúvidas de como usá-los, não se desespere, é mais fácil do que parece. Além disso, existem milhares de vídeos espalhados na internet para ajudar.

Como colocar:

No mercado há vários tipos de cílios postiços. O ideal para quem está começando é o inteiro, com uma linha unindo todos os fios. Dê preferência aos pelos verdadeiros ou sintéticos para obter um ar natural. A cola própria, para os iniciantes, é desejável que seja preta, evitando que apareça ao aplicar. Não se esqueça de esperar alguns segundos antes de encaixá-los, já que na forma mais líquida não gruda bem.

O vídeo abaixo é super interessante, explicativo e divertido, feito pela Alice Salazar.

Como retirar:

Para retirar, basta passar um pouco de demaquilante em um cotonete, e deslizar delicadamente rente aos postiços. Aos poucos, puxar com cuidado, assim você o sentirá descolando sem maiores problemas. O ideal é higienizar, também com demaquilante, e guardar na embalagem e forma em que eles vieram, para que não fique reto ou artificial.

Porto – A nova Barcelona

Conhecida com a “Cidade Invicta”, é a cidade que deu nome a Portugal desde 200 a.C., quando se chamava “Portus Cale”, mais tarde tornando-se a capital do “Condado Portucalense”. Mundialmente conhecida pelos seus vinhos, suas pontes, arquitetura comtemporânea e antiga, seu centro histórico, e claro, pelo Futebol Clube do Porto. A cidade patrimônio mundial pela UNESCO foi eleita “Melhor Destino Europeu 2012” pela European Consumers Choice.

Falando das pontes, podemos destacar a “Ponte Maria Pia”. Construída entre janeiro de 1876 e novembro 1877, foi a primeira ponte ferroviária a unir as duas margens do Rio Douro. Mais tarde, devido as exigências das modernizações, a ponte foi desativada e substituída pela “Ponte de São João”, em 1991. A construção mais recente foi a “Ponte do Infante”, em homenagem ao Infante D.Henrique, que liga Porto a Gaia. Foi feita para substituir a parte superior da Ponte Dom Luís.

Para curtir a noite no Porto não faltam opções. Entre as melhores está o Zenith Lounge, localizado no topo no hotel HF Ipanema Park, funciona de maio a outubro. O lugar dispõe de uma deslumbrante vista panorâmica do Porto. Não perca a chance, ainda dá para aproveitar este ano! Visite também a discoteca Pitch (de jazz, funk e disco a ritmos africanos), o La Bohème entre Amis (para saborear tapas e vinho), o Galeria de paris (decoração vintage e música ao vivo) e o Café au Lait (point dos DJs emergentes).

Ir à cidade e não tomar um café da manhã Portenho ou um chá da tarde é uma visita incompleta. Volte no tempo e descubra o centenário Majestic Café, além de lindo é delicioso. Ainda passeando pela história, visite o Palácio da Bolsa, um edifício neoclássico do sec. XIX.

Partindo para um roteiro mais turístico comece pela Torre dos Clérigos e em seguida pela Fundação de Serralves, um belo museu de arte contemporânea, construído por um dos arquitetos mais reverenciados do mundo, Álvaro Siza Vieira. Outro ponto muito famoso é o Mercado do Bolhão, onde se encontram as vendedeiras do Mercado, um símbolo arquitetônico do comércio tradicional. Não deixe de ir na Casa da Música, que fica no edifício em forma de diamante projetado pelo holandês Rem Koolhaas. Lá acontecem milhares de shows.

O que não falta no Porto são museus. Segue uma listinha para colocar no roteiro:

  • Galeria Fernando Santos
  • Casa do Infante
  • Museu do Vinho do Porto
  • Museu da Indústria
  • Museu de História Natural
  • Museu do Papel Moeda
  • Gabinete de Numismática
  • Museu de Arte Sacra
  • Museu da Misericórdia
  • Museu Nacional da Imprensa
  • Centro Português de Fotografia
  • Museu romântico da Quinta da Macieirinha
  • Museu Militar do Porto
  • Museu Nacional de Literatura
  • Castelo do Queijo

Este slideshow necessita de JavaScript.